Pesquisar notícia
segunda,
06 dez 2021
PUB
Região

Castelo Branco, Guarda e Tomar criam rede politécnica unida pela A23

28/10/2021 às 11:43
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Os Institutos Politécnicos de Castelo Branco, Guarda e Tomar vão criar uma rede politécnica unida pela autoestrada A23 e focada na proteção de pessoas e bens e nas competências digitais.

Em comunicado enviado hoje à agência Lusa, a Câmara de Proença-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, refere que a assinatura do protocolo para a criação de um consórcio entre as três instituições públicas de ensino politécnico decorreu no Centro Ciência Viva da Floresta, naquele concelho.

Este projeto surge no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e está focado “na proteção de pessoas e bens, mas também nas competências digitais”.

O processo de candidatura obrigava à constituição de um consórcio, nos casos em que as instituições de ensino superior tivessem menos de cinco mil estudantes, o que se verifica em cada uma das três instituições.

“As formações destinam-se aos jovens de cursos técnicos profissionais e alunos em licenciaturas e pós-graduações, de modo a aumentar a qualificação de várias faixas etárias”, lê-se na nota.

Citado no documento, o presidente do Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB), António Fernandes, refere que esta candidatura conjunta foi iniciada ainda antes da pandemia da covid-19.

“Falámos das competências que estão em instaladas em cada uma das instituições e identificámos formações que poderíamos vir a desenvolver em conjunto. Entretanto, surgiu a pandemia e só houve alterações quando chegou o Plano de Recuperação e Resiliência e as instituições foram convidadas a apresentar manifestações de interesse”, disse.

Este responsável realçou “a humildade” com que se realizou esta parceria, sabendo de antemão que “o resultado só poderia ser benéfico”.

“Temos que ser humildes e perceber que, de facto, não estamos a conseguir dar resposta a todas as necessidades de mercado. Apresentámos um orçamento de 15.530,000 euros e estamos neste momento em período de negociação acerca do valor final do projeto”, concluiu.

Já o presidente da Câmara de Proença-a-Nova, anfitrião da assinatura deste protocolo, sublinhou que o seu concelho está desde o início do processo “disponível para acolher e ser parceiro neste projeto que trata de territórios e pessoas”.

“A A23 conseguiu, de facto, ligar toda esta rede politécnica, impactando os territórios, cruzando-os e casando-os no sentido de apresentarem uma resposta a este Plano de Recuperação e Resiliência”, disse João Lobo.

Lusa