Pesquisar notícia
quinta,
13 jun 2024
PUB
Constância

«Bólide» nos céus de Portugal explicado por Máximo Ferreira (c/áudio)

20/05/2024 às 10:41
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Cerca de uma semana depois das auroras boreais que agitaram as redes sociais no nosso país, outro fenómeno nos céus agitou a madrugada de domingo e continua ainda a merecer destaque e reações.

Pouco depois das 23:45 de sábado um intenso clarão de luz, "azulada ou esverdeada", irrompeu noite, tendo sido observado em todo o país e até em Espanha.

Nessa mesma noite e face ao momento em que a noite ficou dia, tal a intensidade do clarão, multiplicaram-se os vídeos na internet e até a Proteção Civil acionou meios para a zona de Castro Daire, distrito de Viseu, para dar resposta a uma "possível queda de meteorito".

Segundo o investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e da Universidade de Coimbra Nuno Peixinho, tratou-se de um meteoro, enquanto dados preliminares do Instituto de Astrofísica da Andaluzia dá conta de que "não caiu quase nada, ou foi parar ao Oceano Atlântico".

Ora, na região, pouco após fecharem as portas do Centro de Ciência Viva, de Constância, os elementos do centro viram o clarão, como explicou à Antena Livre Máximo Ferreira. Diz que não o viram no Centro de Ciência Viva, mas cada um viu em locais diferentes, pelo que os momentos seguintes ao avistamento foi telefonarem, uns aos outros, para comentar o que viram.

O astrónimo Máximo Ferreira explicou que aquilo que aconteceu foi a entrada na atmosfera de um meteoroide (pedaço de rocha que “anda” pelo espaço) na nossa atmosfera e que ter-se-á desintegrado. Esta rocha, deveria ser constituída por ferro e lítio, por isso provocou a incandescência nesta cor azulada ou esverdeada. O responsável pelo Centro de Ciência Viva disse que puderam ver este “bólide”, nome dado a estes fenómenos. Ou seja, a “rocha” no espaço é um meteoroide, quando entra em incandescência na atmosfera terrestre é um bólide e quando cai um fragmento é um meteorito.

Quem quiser saber mais coisas sobre estes fenómenos pode sempre passar no Centro de Ciência Viva de Constância. “Temos um fragmento de meteorito encontrado em Ourique e uma réplica de um outro encontrado em Almodôvar, em que o original está no Museu Nacional de Arte Antiga.”

Máximo Ferreira, astrónomo

 

O Centro de Ciência Viva de Constância está aberto de terça a sexta-feira, das 9:30 às 13:00 e 14:30 às 18:00, aos sábados das 15:00 às 19:00 e 21:30 às 23:30 e aos domingo e feriados das 15:00 às 19:00. O Centro tem o descanso semanal às segundas-feiras.

Galeria de Imagens