Pesquisar notícia
quarta,
29 mai 2024
PUB
Greve

Professores em protesto à porta da escola de Sardoal (c/áudio)

27/01/2023 às 10:37
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Os professores continuam com a sua luta e todos os dias há escolas com protesto dos docentes ao início da manhã.

Esta manhã foi no Sardoal, os professores juntaram-se à porta da Escola Drª Maria Judite Serrão Andrade, sem medo do frio e com cartazes nas mãos quiseram mostrar à comunidade que continuam em luta. Sem carimbo de nenhuma estrutura sindical esta é uma luta dos professores que querem defender os seus direitos e querem que o governo abra portas à resolução de várias questões que têm estado “congeladas” ao longo de muitos anos.

À Antena Livre Ana Alfaiate, docente na escola, disse que a paralisação causou impacto junto dos pais, à medida que iam deixando os filhos na escola.

A professora referiu que as reivindicações mantêm-se as mesmas e que os docentes estão em luta pela sua carreira. “São várias situações com as quais os professores vêm sufocando ao longo do tempo. Uma delas é a contagem integral do tempo de serviço congelado, ou seja, os seis anos que nos não devolvem”, disse Ana Alfaiate.

Mas as reivindicações continuam com a luta pelo quinto e sétimo escalão, assim como o regime especial de aposentação.

A professora diz que é surreal a contratação de professores por parte das autarquias e há ainda a revindicação de melhores condições de trabalho.

Este protesto à porta da escola, com os professores a mostrarem a luta aos pais e aos alunos, a reação, de acordo com a docente, “os pais ficaram um pouco surpresos. Talvez não estejam habituados a uma manifestação em massa”.

Este é um passo de cidadania e alguns alunos perguntam o que é que os professores estão ali a fazer. Ana Alfaiate diz que aos mais pequenos diz que estão “a lutar pela profissão” e aos mais velhos explicam as razões do protesto.

Ana Alfaiate, professora

Ana Alfaiate professora na escola de Sardoal a deixar as notas das paralisações desta manhã dos docentes, aos primeiros tempos da manhã.

De acordo com a professora para já não há previsão de novo protesto, sendo que a 8 de fevereiro há greve nacional marcada por diversas plataformas sindicais.