Pesquisar notícia
terça,
23 abr 2024
PUB
Eleições Intercalares

Socialista Carla Peixe ganha em Alvega e Concavada com maioria absoluta (c/áudio)

18/02/2024 às 21:16
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter
Foto: Facebook PS Abrantes

Carla Peixe é a nova presidente da União das Freguesias de Alvega e Concavada após serem conhecidos os resultados das eleições intercalares deste domingo. O PS ganhou com maioria absoluta, o PDS ficou em segundo lugar e a CDU em terceiro, não conseguindo eleger nenhum elemento para a Assembleia de Freguesia. O PS conseguiu eleger 6 elementos para a assembleia, o PSD 3, e a CDU não teve qualquer eleito. 

Segundo os dados revelados pelo município, o PS, com Carla Peixe como cabeça de lista, obteve 585 (61,9%) votos do total dos 1.638 eleitores inscritos, contra 278 votos do PSD (29,4%) e 81 votos da CDU (8,5%), o que corresponde a seis mandatos para o PS e três para o PSD.

O total de votantes foi de 966, o que corresponde a 58,8% dos eleitores, num ato eleitoral onde a abstenção foi de 41% e os votos brancos (7) e nulos (15) foram residuais.

Carla Peixe, numa primeira reação a esta eleição por maioria absoluta, disse estar muito satisfeita “com todos os fregueses de Alvega e Concavada porque confiaram em mim, na minha equipa.”

Esta candidatura é, de acordo com a própria, um antecipar de um sonho que se concretiza mais cedo do que o previsto. A Carla disse, antes das eleições, que tinha por objetivo, um dia, ser presidente da Junta de Freguesia da sua terra e conseguiu-o numa eleição intercalar, ou seja, com pouco mais de um ano e meio de mandato. O desafio é ser presidente da União de Freguesias por um ciclo de 12 anos.

Carla Peixe disse à Antena Livre que as prioridades, assim que tomar posse do cargo, passam por perceber a situação atual da junta e começar a olhar para os idosos e crianças, sem esquecer a limpeza das aldeias e a gestão dos cemitérios. Há uma outra questão que passa por se sentar à mesa com a equipa de gestão do Município de Abrantes para avaliar a situação dos contratos interadministrativos que não foram contratualizados com Alvega e Concavada por causa da instabilidade na freguesia e também, naturalmente, pela convocação de eleições intercalares.

 

Carla Peixe, cabeça de lista do PS e vencedora das eleições

O PS elegeu seis membros para a Assembleia de Freguesia, sendo os candidatos efetivos: Carla Peixe, Rui Branco, Arménio Miranda, Vera Catarino, Nuno Carola, Vicente Simões, Sílvia Presado, Augusto Pires e Dulce Filipe, para além de mais 9 suplentes.

Paulo Pires Rosa, cabeça de lista do PDS, num primeiro comentário disse que “o povo decidiu e escolheu a Carla e a sua equipa”, tendo realçado logo de seguida “estamos cá para ajudar, para construir e nunca para trazer Alvega para situações negativas para as notícias.”

O social-democrata não adiantou se este desafio é para continuar em 2025, nas eleições autárquicas. Quanto a uma possibilidade de poder colocar ideias do PSD a ação da Junta de Freguesia neste ano e meio, disse que isso seria uma decisão da nova presidente da Junta de Freguesia, mas sempre a realçar querer ajudar, pela positiva, a freguesia de Alvega e Concavada.

Paulo Pires Rosa, cabeça de lista do PSD

A lista do PSD elegeu 3 membros, sendo os candidatos efetivos: Paulo Pires Rosa, José Carlos Rento, Samantha Raimundo, Octávio Almeida, Vasco Farrolas Chambel, Helena Rufino, Filipe Mascate, Hélio de Matos, Maria de Fátima David.

A CDU apresentou como cabeça de lista, Paulo Jacinto, seguido por Marta Delgado, Augusto Mourato, Luísa Marques, João Farinha, Francisco de Matos, Helena Mourato de Matos, Ricardo da Palma Marques, Francisca Lopes. Não conseguiu eleger qualquer membro para a Assembleia de Freguesia.

O que levou às segundas eleições intercalares

Segundo o despacho de marcação do sufrágio, assinado pelo secretário de Estado da Administração Local e Ordenamento do Território, Carlos Miguel, as eleições são realizadas “face ao esgotamento da possibilidade de substituição dos membros da Assembleia de Freguesia que renunciaram ao respetivo mandato, quer dos eleitos pela lista mais votada, quer dos eleitos pela segunda lista mais votada”.

Neste contexto, não se encontrava “em efetividade de funções a maioria do número legal de membros da Assembleia (cujo quórum é, em concreto, de cinco membros)”.

Os problemas de gestão da freguesia começaram logo após as autárquicas de setembro de 2021, que o PS venceu por 23 votos de diferença, elegendo três elementos, tantos quantos o PSD, a segunda força política mais votada, e tantos quantos o BE.

As três propostas apresentadas então pelo PS para formar um executivo foram chumbadas por BE e PSD, que acabaram por renunciar ao mandato e antecipar o cenário de novas eleições, confirmado em janeiro de 2022 num despacho assinado pelo Governo.

Para essas eleições foi criado o Movimento Independente da União de Freguesias de Alvega e Concavada (MIUFAC), encabeçado por António Moutinho, que tinha concorrido pelo PSD em 2021. Nas intercalares apresentou-se com elementos das listas do PSD e do BE, partidos que abdicaram de candidaturas próprias.

Em março de 2022, o MIUFAC teve maioria absoluta, com 51,2% dos votos (481 votos do total dos 1.678 eleitores inscritos), contra 369 votos do PS (39,3%) e 79 votos da CDU (8,4%).

Os problemas, no entanto, não pararam, com vários membros do movimento de cidadãos a apresentarem a renúncia aos cargos e, em agosto, os socialistas renunciaram também, em protesto pela “instabilidade política”.

Com os resultados de hoje, 10 das 13 freguesias do concelho de Abrantes ficam com dirigentes do PS: União de Freguesias de Alvega e Concavada, Martinchel, Carvalhal, Fontes, Pego, União de Freguesias de Abrantes e Alferrarede, União de Freguesias de São Miguel do Rio Torto e Rossio ao Sul do Tejo, Bemposta, Mouriscas, e União de Freguesias de São Facundo e Vale das Mós.

O PSD conquistou em 2021 a União de Freguesias de Aldeia do Mato e Souto e os independentes conquistaram duas freguesias: Tramagal e Rio de Moinhos.