Pesquisar notícia
sexta,
22 out 2021
PUB
Sociedade

Incêndios: Procura pelo serviço de limpeza de terrenos na plataforma OLX aumenta 56%

3/05/2021 às 19:01
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

 A procura pelo serviço de limpeza de terrenos florestais através da plataforma OLX aumentou 56% nos meses de fevereiro e março deste ano face ao período homólogo de 2020, revelou hoje a responsável de ‘marketing’ da empresa em Portugal.

“Observámos um grande aumento não só na procura, mas também na oferta deste tipo de serviços entre fevereiro e março de 2021”, afirmou Alexandra Santos, responsável de ‘marketing’ do OLX Portugal, indicando que em relação às respostas a anúncios durante estes dois meses deste ano “verificou-se uma subida de 76%”.

Em declarações à agência Lusa, Alexandra Santos disse que este ano houve “cerca de 230 pesquisas em fevereiro para 450 pesquisas em março” a nível da procura pelo serviço de limpeza de terrenos florestais, o que corresponde a “um aumento de 90%” entre um mês e o outro.

“Quando comparado com o período homólogo de 2020, estas pesquisas aumentaram 134% no mês de março”, adiantou a representante da OLX, no âmbito de um estudo baseado em dados disponíveis na plataforma, no qual se analisa a evolução da procura, através de contactos feitos a anúncios, e da oferta, com publicitações novas e ativas, na subcategoria Limpeza de Terrenos.

Em 2020 foram registadas 245 procuras em fevereiro e 190 em março, num total de 435 contactos, enquanto este ano foram contabilizadas durante esses dois meses 680 pesquisas, o que significa um crescimento de 56%, apontou Alexandra Santos.

“No âmbito da oferta, tivemos uma subida de 47% de novos anúncios na plataforma entre fevereiro e março deste ano, e a nível de anúncios ativos de 16%”, referiu.

De acordo com a responsável de ‘marketing’ do OLX Portugal, a nível de oferta deste serviço durante este período, os distritos que mais se destacaram foram Santarém (158%), Aveiro (146%), Porto (140%), Coimbra (100%), Lisboa (64%) e Setúbal (32%).

Sobre o preço médio anunciado para a limpeza de terrenos, a plataforma não dispõe dessa informação, “porque grande parte dos anúncios o valor que tem está sempre sob orçamento, portanto será um serviço que irá depender depois dos requisitos de quem está à procura”.

Em relação a outras categorias disponibilizadas, a limpeza de terrenos é menos representativa, mas verifica-se que “pelo menos em 2019 já havia essa procura na plataforma e tem vindo a crescer desde essa altura”, acrescentou Alexandra Santos, reforçando que a oferta também tem aumentado para dar resposta ao maior interesse dos utilizadores do OLX.

O prazo para os proprietários assegurarem a limpeza de terrenos florestais estava definido até 15 de março, mas o Governo decidiu prorrogar por mais dois meses, até 15 de maio, considerando as condições meteorológicas e a situação de confinamento devido à pandemia de covid-19.

“A tendência que estamos a observar é de um crescimento durante estes primeiros meses desde o ano de 2021, agora teremos de continuar o estudo e perceber se esta tendência se mantém entre abril e maio, ou seja, até à data limite estipulada pelo Governo”, declarou a representante do OLX, realçando a sazonalidade da procura e da oferta deste serviço de limpeza de terrenos.

Na perspetiva da responsável de ‘marketing’, a plataforma acaba por facilitar a oferta deste serviço, assim como a procura.

“Quem está à procura também muito rapidamente consegue encontrar o tipo de serviço que procura, encontram mais perto da sua localidade e acabam também por conseguir fazer este tipo de transação muito mais facilmente”, destacou Alexandra Santos.

Apesar do prolongamento já determinado até 15 de maio, o parlamento recomendou ao Governo a prorrogação do prazo para limpeza de terrenos florestais, de 15 de março para 31 de maio.

A Lusa questionou o Ministério do Ambiente e da Ação Climática sobre a posição do Governo quanto à recomendação da Assembleia da República, mas não obteve resposta até ao momento.

À semelhança do que tem acontecido desde 2018, este ano as coimas por incumprimento dos trabalhos de gestão de combustível voltam a ser "aumentadas para o dobro", passando para de 280 a 10.000 euros, no caso de pessoa singular, e de 3.000 a 120.000 euros, no caso de pessoas coletivas.

Lusa