Pesquisar notícia
sábado,
27 nov 2021
PUB
Sociedade

Governo pensa num túnel para levar água do Cabril para Belver

2/10/2021 às 14:47
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

O governo português pode resolver um dos problemas da falta de água no rio Tejo, entre a barragem de Belver e Constância com o aumento do caudal neste troço através de um túnel que “desvie” a água da Barragem do Cabril até à Barragem de Belver.

João Matos Fernandes explicou numa entrevista à rádio TSF que esta pode ser uma das soluções para a falta de água, muitas vezes até de caudais ecológicos, existente neste troço do rio Tejo. Ao responder à pergunta sobre a revisão da Convenção de Albufeira, que muito se tem falado nos últimos tempos, o titular da pasta do Ambiente diz que com ele não haverá revisão porque é como “ir à lã e ser tosquiado”. E depois justifica ao dizer: “Espanha gasta menos água por habitante do que Portugal, tem menos água, quem quiser ir rever a Convenção faz um disparate de todo o tamanho”.

Mas Matos Fernandes avança com uma outra ideia que está, diz o ministro, a ser estudado. “Temos um problema de falta de água no Tejo, num troço: entre a barragem de Alge e Constância”, revelou nesta entrevista o governante para depois apontar uma eventual solução que pode passar pela construção de um túnel que leve água do Cabril até à barragem de Belver. “Mas estamos a estudar uma solução, muito interessante, que é poder fazer uma ligação entre a barragem do Cabril, no Zêzere, que é o rio de maior disponibilidade hídrica em Portugal, e Belver. É uma obra de engenharia de 100 milhões numa extensão superior a 50 quilómetros, num túnel para poder fazer esse transporte de água”, explicou João Matos Fernandes.

O ministro garantiu que esta solução não é nenhum transvase, como acontece em Espanha porque, garante, “a água deixa de fazer uma hipotenusa para passar a fazer dois catetos, mas volta a chegar a Constância. É uma solução com impactos ambientais baixíssimos”.

E o ministro adiantou ainda que pode ser uma solução muito boa para estado porque as concessões do Cabril e de Belver estão quase no fim. “Pensar Belver, Cabril e este túnel como um processo num concurso para a concessão será muito económico para o Estado e para garantir caudais ecológicos no Tejo”.