Pesquisar notícia
sexta,
20 mai 2022
PUB
Saúde

Deputados do BE recomendam a restruturação do serviço de urgências do CHMT

22/06/2018 às 00:00
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Os deputados do BE recomendam ao Governo a restruturação do serviço de urgências do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT).

Num comunicado enviado, Carlos Matias, deputado eleito pelo distrito de Santarém, e o restante Grupo Parlamentar do BE, recomenda ao Governo que “os três polos do Centro Hospitalar do Médio Tejo (Torres Novas, Tomar e Abrantes), que dispõem de serviços de urgência médico-cirúrgica, de medicina interna, de cirurgia e de pediatria, assegurem com recursos necessários o seu normal funcionamento e com suficiente capacidade de resposta”. O BE recomenda ainda “o alargamento das valências disponíveis nos hospitais do Centro Hospitalar do Médio Tejo e o reforço dos respetivos quadros de pessoal, contratando os profissionais em falta” e a garantia “do transporte gratuito entre as várias unidades do centro hospitalar aos utentes (…) para que nenhum utente fique deslocado depois de alta hospitalar, exceto por opção do próprio”.

No mesmo comunicado o BE considera que “em diversos momentos, a Urgência Médico-Cirúrgica do Hospital de Abrantes, integrada no Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT), entrou em rotura”. Como também, refere que “a reorganização do Centro hospitalar do Médio Tejo, em 2012, levou a uma substancial redução das valências existentes em Torres Novas e em Tomar e à concentração de serviços no polo de Abrantes (…) uma estrutura que não foi concebida para tamanho universo de utentes”.

No documento, o BE reconhece que “a ampliação e requalificação do espaço do Serviço de Urgências em Abrantes, com término previsto para o próximo ano, minimizará certamente os problemas. Mas não é certo que os resolva em definitivo”. Por último, os deputados bloquistas lembram que “muitos utentes são idosos provenientes de zonas periféricas da região, com poucos recursos próprios e sem qualquer acesso a transportes públicos - cuja rede, de resto, está em regressão”.