Pesquisar notícia
quinta,
18 ago 2022
PUB
Região

Praga de inseto nos citrinos atinge o Oeste e o Ribatejo

15/07/2022 às 11:02
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

A Direção Regional de Agricultura e Pescas (DRAP) de Lisboa e Vale do Tejo emitiu esta sexta-feira, dia 15 de julho, um alerta fitossanitário para uma vasta área do oeste e Ribatejo, até ao concelho de Abrantes, a propósito da proliferação de um inseto nos pomares de citrinos.

De acordo com esta estrutura governamental a Trioza eritreae (Del Guercio) (Hemiptera, Triozidae) ou psila-africana-dos-citrinos é uma espécie indígena de África, detetada na Madeira em 1994 e nas ilhas Canárias em 2002. Foi observada pela primeira vez na Europa continental em agosto de 2014 no noroeste de Espanha e no norte de Portugal em janeiro de 2015. Como o nome indica ataca citrinos cultivados pelos frutos e plantas aparentadas usadas normalmente como ornamentais.

De acordo com a DRAP “é considerada uma praga de quarentena pela Comissão Europeia pelo que a sua presença num país ou região condiciona o movimento e venda das suas plantas hospedeiras.”

Desta forma estão identificados os concelhos em que foi detetado o inseto e aqueles que devem ficar em zona de quarentena.

Ainda segundo esta estrutura “no interior da zona demarcada, legalmente criada na área considerada como infestada por este inseto, existem regras que devem ser seguidas pelas comerciantes e atendidas por quem pretender adquirir este tipo de plantas, garantindo que não compra exemplares infestados.”


Esta zona demarcada tem vindo a ser atualizada pela Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo.

Ainda segundo a mesma nota “os citricultores cujos pomares se encontrem no interior da zona demarcada estão ainda obrigados a informar a DRAP respetiva com pelo menos 5 dias de antecedência da data de início da colheita dos frutos, retirar do pomar apenas os frutos de citrinos totalmente desprovidos de folhas e pedúnculos e transportar os frutos em contentor fechado.” Por outro lado, as “centrais de embalamento e expedição de citrinos, mesmo localizadas em zona livre de Trioza erytreae estão também obrigadas ao cumprimento de regras especificas.”