Pesquisar notícia
sexta,
19 abr 2024
PUB
Tomar

DGPC nega substituição dos sinos da Igreja de S. João Batista em Tomar

29/06/2023 às 19:14
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter
Imagem Ilustrativa

Os três sinos da torre da Igreja de São João Baptista, em Tomar, alvo de denúncia, no parlamento, de substituição por réplicas, foram intervencionados para conservação e restauro, mantendo-se os originais, disse fonte oficial à Lusa.

No passado dia 12 de abril, a secretária de Estado da Cultura, Isabel Cordeiro, disse que iria “averiguar” a alegada substituição dos sinos por réplicas, denunciada pelo deputado Jorge Galveias, do Chega, que afirmara que, "devido a determinadas alterações, suspeita-se que [os sinos] tenham sido substituídos por réplicas".

Questionada pela Lusa, a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) confirmou hoje que, inquirida a Câmara Municipal de Tomar (Santarém), dona da obra, e o gabinete projetista, “não houve qualquer substituição dos referidos sinos da Igreja de São João Baptista”.

“[Houve] apenas uma operação de conservação e restauro, com trabalhos de limpeza, nos exatos termos aprovados por parecer desta Direção-Geral”, lê-se na resposta da DGPC.

Na intervenção no parlamento, Jorge Galveias apontou como sinais de uma eventual substituição por réplicas "as alterações às inscrições em Latim, a remoção das cintas em couro, e até o aspeto material [dos sinos]: parece ser mais de latão, que de bronze".

De acordo com informação disponível no 'site' oficial da Câmara Municipal de Tomar, as obras da Igreja de São João Baptista foram assumidas por aquela autarquia num protocolo com a paróquia.

As "várias patologias em termos estruturais" do edifício, entre as quais infiltrações, estiveram na origem das "intervenções estruturais de fundo, bem como trabalhos de restauro, limpeza e conservação", acrescenta.

Ainda segundo informação disponível na página da autarquia, trata-se de "um templo de estilo gótico tardio que junta elementos do estilo manuelino e barroco", que "foi elevado a Monumento Nacional em 1910".

Lusa