Pesquisar notícia
quarta,
21 fev 2024
PUB
Tejo

Caudais do Tejo estabilizaram, mas continuam elevados

21/01/2024 às 12:33
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter
Açude Abrantes 20-01-2024 16 horas

Os caudais no rio Tejo estão estáveis, mas ainda provocam alguns constrangimentos, principalmente na Lezíria.

De acordo com informação da Proteção Civil desta manhã, as descargas das barragens da bacia hidrográfica do Tejo estabilizaram, mantendo, no entanto, níveis hidrométricos elevados. Mantendo-se a situação atual, e de acordo com a informação recebida da APA e “EDP Produção” para a bacia do Tejo, prevê-se durante o dia de hoje uma manutenção do caudal do rio Tejo. No rio Sorraia regista-se um decréscimo na altura hidrométrica, medida em Coruche.

Assim e de acordo com a informação dos Comandos Subregionais da Lezíria do Tejo e Médio Tejo da Proteção Civil, que estão a monitorizar a situação, verifica-se nesta manhã de domingo o seguinte cenário:

Município de Abrantes (Estrada de Tramagal para Santa Margarida; Estrada de Campo - Tramagal; Alvega – Zona Ribeirinha)

Município de Vila Nova da Barquinha (Parque de estacionamento do Almourol;

Município de Coruche (Ponte da Escusa - Submersa; EM - estrada de Meias (E.N.114 – E.N.251) - Submersa; CM – 1427 (EN 114-3 à EN119) - Submersa; CM - H (EN 114-3 à EM 515 Biscainho) - Submersa; Estrada (Margem Esquerda do Rio Sorraia) - Submersa; EN 119 condicionada (Quinta Grande); Alagamento dos campos de cultivo da lezíria do Sorraia)

Município de Golegã (CM 1 – Estrada de Vale de Zebro; CM 30 – Ponte do Cação

Município de Benavente (E.M. 456 – Interdita)

Neste sentido, a proteção civil aconselha a população e serviços municipais de proteção civil, bem como solicita aos órgãos de comunicação social, para que "continuem a alertar a população para as medidas de autoproteção em caso de cheias".

A Proteção Civil pede à população para retirar das zonas confinantes das linhas de água, normalmente inundáveis, equipamentos agrícolas, industriais, viaturas e outros bens, retirar os animais para locais seguros, não atravessar, com viaturas ou a pé, estradas ou zonas alagadas, e que desenvolvam as ações necessárias para a sua proteção, da família e bens.

Os Comandos Subregionais da Lezíria do Tejo e Médio Tejo da Proteção Civil, em articulação com a Agência Portuguesa do Ambiente, IP, EDP produção, Serviços Municipais de Proteção Civil e Agentes de Proteção Civil, vão continuar a acompanhar a situação, nomeadamente as descargas das barragens e as medições dos caudais afluentes da Bacia do Tejo.