Pesquisar notícia
quarta,
01 dez 2021
PUB
Região

Câmara de Alcanena defende punição de "responsáveis por más práticas" ambientais

11/05/2021 às 08:54
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

A Câmara de Alcanena (Santarém) reagiu ontem à notícia de enterramentos de resíduos por uma empresa de curtumes do seu concelho sublinhando que pugna pela punição de “todos os responsáveis por más práticas”.

“A Câmara Municipal de Alcanena, em articulação com todas as entidades, está determinada a trabalhar e a colaborar para que as Boas Práticas Ambientais sejam uma realidade e que todos os responsáveis por más práticas sejam punidos. Tem sido esse o nosso desígnio”, afirmou a presidente do município, Fernanda Asseiceira (PS), numa resposta escrita à Lusa.

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) divulgou ontem o resultado de uma operação realizada juntamente com a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), o Instituto da Soldadura e Qualidade e a Câmara Municipal de Alcanena, em cumprimento de um mandado de busca e de apreensão não domiciliário, numa indústria de curtumes localizada no concelho de Alcanena, na sequência de uma investigação por crime de poluição.

No decurso da operação, realizada por “suspeita da prática de deposição de resíduos de curtumes, foram realizadas várias escavações no solo, com recurso a uma retroescavadora, onde foi possível comprovar a existência, em dois terrenos adjacentes à indústria, de indícios de enterro de raspas azuis e verdes, bem como lamas provenientes das lagoas existentes, com eventual contaminação dos lençóis freáticos”, afirmou a ASAE em comunicado.

“Nestas diligências no solo, foi confirmada a deposição incontrolada de resíduos orgânicos (peles), lamas e, ainda, resíduos de construção e demolição (RCD). Com estas aberturas, a maioria das valas acabou por ficar submersa com água, que brotava do solo (aquíferos), com cheiro e coloração, indiciando uma eventual contaminação dos solos”, acrescenta.

Segundo a ASAE, foram efetuadas quatro colheitas de solo e duas de água “para a devida análise laboratorial e consequente elaboração do respetivo parecer, no âmbito do processo-crime em curso”.

A Associação Portuguesa dos Industriais de Curtumes (APIC) reagiu à notícia declarando repudiar “com toda a veemência” práticas poluidoras como as identificadas pela ASAE, pedindo que seja especificado se a deposição de resíduos detetada é recente ou se tem décadas.

Gonçalo Santos, secretário-geral da APIC, disse à Lusa que a prática de enterramento de resíduos como a descrita pela ASAE deixou de ser feita “há décadas” e que vê “com estupefação” que possa ter ocorrido recentemente.

A ter acontecido, “as indústrias de curtumes unanimemente condenam de forma veemente práticas que não representam um setor que tem vindo a investir em medidas para acautelar a área ambiental e preza os valores da economia circular”, declarou.

Para Gonçalo Santos, se se comprovar que os enterramentos são recentes, a empresa em causa “tem de ser erradicada”, tal como deve acontecer em qualquer setor em que aconteça este tipo de prevaricação.

“Isto em nada representa a atividade atual do setor”, disse, referindo o cariz fortemente exportador de um setor que está agregado a cadeias de valor, nomeadamente do mercado de luxo, aeronáutico e automóvel, entre outros.

Lusa