Pesquisar notícia
segunda,
06 dez 2021
PUB
Região

Autárquicas: Ex-presidente do Cartaxo justifica renúncia ao mandato com motivos profissionais

20/10/2021 às 16:11
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

O ex-presidente da Câmara do Cartaxo Pedro Ribeiro (PS), derrotado pelo PSD nas eleições do passado dia 26 de setembro, disse hoje à Lusa que renunciou ao mandato por razões profissionais, mas também pessoais e familiares.

Pedro Magalhães Ribeiro, que presidia à Câmara Municipal do Cartaxo (no distrito de Santarém) desde 2013, admitiu desilusão com o resultado obtido nas últimas eleições autárquicas, que deram a vitória à lista social-democrata liderada por João Heitor.

O novo executivo camarário, agora presidido por João Heitor, tomou posse na segunda-feira, dia em que Pedro Magalhães Ribeiro formalizou a renúncia ao seu mandato, decisão que, disse hoje à Lusa, se prende, sobretudo, com o facto de ir assumir um novo projeto profissional que o impede de exercer cabalmente a função de vereador.

Pedro Magalhães Ribeiro, que em 2017 foi eleito com 52,5% dos votos, viu os 29% da eleição de 26 de setembro como “um resultado que naturalmente desilude” e que atribui a uma “certa saturação política” de uma população “cansada” de não ver os problemas do dia-a-dia resolvidos.

“As pessoas não avaliam os relatórios e contas. Houve uma recuperação financeira brutal que não é visível, mas os buracos nas estradas e os jardins por arranjar são”, disse, salientando que no seu primeiro mandato herdou uma câmara “falida” e que, no segundo, apesar da melhoria das contas, surgiu a pandemia da covid-19, o que “impediu de fazer mais”.

O ex-autarca, que, além dos dois mandatos como presidente, integrou, antes, durante 10 anos, o executivo cartaxense como vereador e vice-presidente, atribuiu ainda o resultado a “fadiga” de um partido que liderava o concelho desde as primeiras eleições autárquicas realizadas em democracia (1976).

Pedro Ribeiro afirmou ter tido sempre a noção de que a situação em que o município se encontrava obrigava à adoção de medidas “muito impopulares”, como a aplicação do valor máximo dos impostos, como decorria das imposições legais, o que constituiu um “risco bem avaliado”, a que, admitiu, se juntaram “erros cometidos”.

Nas eleições autárquicas de 26 de setembro, o PSD conquistou a Câmara Municipal do Cartaxo com 46,6% dos votos (quatro eleitos), contra os 27,7% que havia conquistado em 2017, na altura em coligação com o Nós, Cidadãos!. O PS obteve 29% dos votos, elegendo três vereadores.

Lusa

Palavras chave:
PS Cartaxo