Pesquisar notícia
quarta,
21 fev 2024
PUB
Protesto

Agricultores do Oeste e Ribatejo manifestam-se na Ponte da Chamusca

31/01/2024 às 21:55
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Agricultores do Ribatejo e Oeste vão concentrar-se na quinta-feira num protesto pacífico na Ponte da Chamusca, depois da recusa de duas autarquias do distrito de Santarém em autorizarem manifestações nos seus concelhos.

“Uma marcha super pacífica, com concentração na Ponte da Chamusca” marcará, na manhã de quinta-feira, o protesto dos agricultores do Ribatejo e do Oeste, disse à agência Lusa Nuno Mayer, porta-voz do Movimento Civil Agricultores de Portugal nesta região.

A concentração em que os agricultores vão “mostrar descontentamento” pela demora na reposição de ajudas ao setor será reduzida apenas aos concelhos da Chamusca e da Golegã, ambos no distrito de Santarém, devido ao facto de as autarquias de Barquinha e do Entroncamento “não terem autorizado qualquer manifestação”, explicou.

“É uma pena porque são Câmaras do interior, em que a população é muito rural e muito agricultora”, disse Nuno Mayer, lamentando igualmente a falta de apoio da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) ao protesto.

“Os agricultores é que ficaram a arder com 35% dos apoios à produção, ou seja, daquilo que estávamos a contar para manter os preços baixos e poder estar competitivos com o resto da Europa”, afirmou Nuno Mayer, criticando que a confederação que “é suposto defender [o setor]” tenha emitido um comunicado em que expressa a posição de não organizar nem participar em ações que condicionem o normal e regular funcionamento do Mercado Único e impeçam a livre circulação de bens agrícolas.

Reagindo ao anúncio do Governo relativo a um pacote de apoio ao rendimento dos agricultores no valor de quase 500 milhões de euros, destinado a mitigar o impacto provocado pela seca e a reforçar a Política Agrícola Comum (PAC), Nuno Mayer garantiu que no Ribatejo e Oeste, “os agricultores não vão desmobilizar” até que “as promessas se concretizem”.

Nuno Mayer

“Os agricultores estão reconhecidos que o Ministério da Agricultura tenha entendido a asneira que fez, ao fazer mal os cálculos e tenha voltado atrás” disse, considerando trata-se de “um primeiro gesto de boa vontade”.

Porém, vincou: “o banco que está à espera que eu pague o adiantamento destas ajudas não vai ter a boa vontade de esperar pelo dinheiro”, tal como “os fornecedores de sementes, de serviços de adubos”.

Portanto, rematou, “é ver para crer”, já que os agricultores não vão desconvocar o protesto sendo esperados, na Ponte da Chamusca, mais de mil participantes na concentração.

O protesto do Movimento Civil Agricultores de Portugal, um movimento civil espontâneo e apartidário que une agricultores e sociedade civil em defesa do setor primário, ocorre a partir das 06:00 de quinta-feira, em várias regiões do país.

Lusa