Pesquisar notícia
sexta,
09 dez 2022
PUB
Abrantes

PS ainda não decidiu repetição de renúncia à Assembleia de Freguesia de Alvega e Concavada (C/ÁUDIO)

28/10/2022 às 11:33
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Os órgãos autárquicos de Alvega e Concavada têm legitimidade para funcionar e não está em cima da mesa o cenário de eleições antecipadas.

De forma simples, a secretaria de Estado da Administração Local e Ordenamento do Território diz, em despacho enviado à Assembleia de Freguesia de Alvega e Concavada, que a Assembleia de Freguesia pode funcionar com os cinco eleitos pelo Movimento Independente da Freguesia de Alvega e Concavada (MIUFAC) e que o executivo da Junta de Freguesia pode funcionar com dois dos três elementos. Quer isto dizer que o MIUFAC pode fazer todo o mandato nas atuais condições.

Mediante este facto, ficou também claro, como disse o presidente da Junta de Freguesia, António Moutinho, o pedido de renúncia dos eleitos do PS na freguesia foi mal direcionado, pelo que neste momento não houve qualquer renúncia aceite, tem havido sim, faltas às reuniões do órgão autárquico de Alvega e Concavada.

E se há um parecer do governo, Bruno Tomás, presidente da concelhia do PS em Abrantes, não assume para já a posição que será tomada.

Há dois caminhos, ou fazer a renúncia bem instruída, direcionada ao presidente da Assembleia de Freguesia, ou os eleitos continuam a fazer o seu trabalho, como oposição a fiscalizar o trabalho da maioria.

A decisão será conhecida em breve, mas Bruno Tomás garante que o PS não quer eleições antecipadas, quer é estabilidade governativa e que foi o MIUFAC, que tem a maioria desde as eleições de março, que provocou a instabilidade na freguesia

A posição do PS será conhecida dentro de dias, depois do secretariado reunir com os eleitos de Alvega e Concavada para poderem decidir qual dos caminhos irão seguir.

Bruno Tomás vincou que é muito importante que os órgãos autárquicos funcionem com legitimidade para poderem fazer o trabalho em prol dos fregueses.

O novo líder do PS em Abrantes disse ainda que o despacho da secretaria de Estado, concorde-se ou não, é Lei, como tal não há outro caminho. A Assembleia de Freguesia pode funcionar com cinco eleitos, de um total de nove, e a Junta de Freguesia pode funcionar com dois elementos do executivo.

Bruno Tomás, presidente da concelhia de Abrantes do PS

De notar que esta poderá ser a primeira grande decisão do novo secretariado da concelhia socialista de Abrantes que foi eleito por unanimidade esta quinta-feira

O secretariado do PS nos próximos dois anos será constituído por Bruno Tomás (presidente da Concelhia); Ricardo Aparício; Carla Catarino; João Gomes; João Marques; Sónia Alves; David Ferreira; Afonso Costa; e Paulo Teixeira.