Pesquisar notícia
quarta,
06 jul 2022
PUB
Política

Apenas 28% dos municípios aceitaram competências na Saúde e 42% na Educação

4/02/2022 às 12:15
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Apenas 28% dos municípios tinham aceitado em 2021 competências na área da Saúde e 42% na Educação, dois domínios que devem ser descentralizados obrigatoriamente para estas autarquias a partir do final de março, segundo dados do portal "MaisTransparência".

Além da Educação e da Saúde, também a Ação Social deveria ser uma área obrigatória a partir de 01 de abril próximo para os municípios, mas o Governo aprovou na quinta-feira a possibilidade de os municípios requererem a prorrogação, até 01 de janeiro de 2023, do prazo para a concretização da transferência de competências nesta área, que foi a última a ser regulamentada por diplomas setoriais.

Segundo o portal do Governo “MaisTransparência” (https://transparencia.gov.pt/), que apresenta os dados mais atualizados disponíveis, relativos a 2021, neste ano em que se realizaram eleições autárquicas todos os 278 municípios do continente já assumiram pelo menos uma das 20 competências que o Governo está a passar da administração central para a administração local.

No entanto, as duas áreas que os municípios têm de assumir obrigatoriamente a partir do fim de março estavam longe dos objetivos, já que na Saúde apenas 57 (28%) do total de 201 municípios que poderão receber esta competência tinham aceitado desempenhá-la, enquanto na Educação tinham sido 116 do universo de 278 municípios (42%) os que expressamente aceitaram assumir estas tarefas.

No entanto, além destes 116 há outros municípios que ainda desempenham competências na área da Educação ao abrigo de, por exemplo, contratos de execução.

Saúde, Educação, Ação Social e Cultura são as quatro áreas a descentralizar que envolvem a transferência de meios financeiros do Estado central para os municípios.

Na Saúde, a administração central tem um valor total de 93 milhões de euros para transferir para os 201 municípios que podem desempenhar esta competência, mas apenas tinham sido transferidos 2,4 milhões.

Ao assumir competências na área da Saúde, o município fica responsável pela gestão operacional e financeira dos centros de saúde na sua área geográfica (manutenção, conservação e gestão dos equipamentos e serviços de apoio logístico) e também pela gestão dos trabalhadores inseridos na carreira de assistente operacional.

Já na Educação, foram transferidos 181 milhões de euros, de um montante total disponível de 934 milhões de euros, para os municípios planearem a oferta educativa, gerirem os transportes escolares, a ação social escolar e as refeições, além da gestão das residências escolares, do investimento nos edifícios, da gestão do recrutamento, seleção e gestão do pessoal não docente, ou da vigilância e segurança dos equipamentos educativos, em articulação com as forças de segurança.

Na Ação Social está previsto que os municípios venham a receber um valor total de 56,1 milhões de euros para desenvolverem programas de promoção de conforto habitacional para pessoas idosas, serviços de atendimento e de acompanhamento social e atribuição de prestações pecuniárias em situações de carência económica, além de ficarem responsáveis pelos contratos do rendimento social de inserção e apoio a famílias com crianças no ensino pré-escolar da rede pública, entre outras funções.

Segundo a mesma fonte de dados, aceitaram competências na área da Cultura 56 de um universo de 63 municípios (89%) e tinham sido transferidos 315 mil euros de um valor total disponível de 1,2 milhões para esta área, na qual as autarquias ficam responsáveis pela gestão, valorização e conservação do património cultural de âmbito local, de museus que não sejam nacionais e pelo controlo e fiscalização de espetáculos artísticos.

Quanto às restantes áreas que não envolvem transferências financeiras, o “MaisTransparência” revela que foram transferidas para a totalidade dos municípios aos quais se aplicam as competências relativas às associações de bombeiros (269 municípios), arborização e rearborização (278), jogos de fortuna e de azar (278), gestão do estacionamento público (278), segurança contra incêndios (278), policiamento de proximidade (278), Proteção civil (278), cogestão de áreas protegidas (67), praias (121), vias de comunicação (243), justiça (278), património (278) e atendimento ao cidadão (278).

Já a competência de transporte de vias navegáveis interiores tinha sido aceite por 50% (ou 127 de 256 municípios) dos municípios abrangidos, a de áreas portuárias por 98% (57 de um universo de 58 municípios) e as competências relativas à habitação por 80% (oito de um universo de 10).

Em 2021 foram 91 os municípios que formalizaram a transferência de competências para juntas de freguesia, o que corresponde a 889 freguesias (de um total de 2.282 freguesias no continente) a exercer competências descentralizadas. Este processo resulta na retenção de mais de 70 milhões de euros que seriam transferidos para os municípios, mas que assim são transferidos para as freguesias que aceitaram exercer essas competências.

Portugal continental tem 278 municípios e 2.282 freguesias.

Lusa