Pesquisar notícia
sábado,
23 out 2021
PUB
Concelhos

Mação: Empresa na área da cannabis medicinal avança com obra em Ortiga

10/05/2021 às 17:23
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Foi debaixo de chuva intensa que foi lançada a primeira pedra, ou melhor dizendo, enterrada uma cápsula do tempo que simboliza o início dos trabalhos de instalação da GreatSoul Pharma na Zona Industrial de Ortiga. O ato simbólico teve lugar esta segunda-feira, 10 de maio, e a empresa, de capitais ingleses, pretende ter obra terminada em seis meses.

Este é um investimento na área do cultivo, armazenamento, embalamento e exportação de produtos à base de cannabis com fins terapêuticos.

Jaime Gil-Robles, CEO da GreatSoul Pharma Portugal, começou por nos explicar a razão que levou a empresa a escolher o concelho de Mação para esta instalação.

“Porque tem as condições geográficas perfeitas para a atividade que vamos fazer”, começou por dizer, adiantando que “em segundo lugar, e o mais importante” foi terem “sempre contado com o apoio do presidente da Câmara de Mação e da sua equipa, que nos ajudou ao longo de todo o processo”, e a quem agradeceu.

Para além do “sítio perfeito”, Jaime Gil-Robles destacou ainda o facto de “as gentes de Mação sempre terem sido muito amáveis connosco”.

A empresa inglesa vai fazer um investimento de cerca de três milhões de euros e criar entre 10 a 25 postos de trabalho. O CEO da GreatSoul Pharma confirmou estes números e explicou que “a ideia é trabalhar em fases distintas” mas relembrou que “se trata de um processo que tem a supervisão do INFARMED”. É a autoridade médica “quem nos vai permitir e marcar o ritmo” mas, por agora, “temos dimensionado um projeto coerente, tanto com o presidente da Câmara como com o INFARMED”.

No entanto, como afirmou Jaime Gil-Robles, “não significa que, à medida que se vá desenvolvendo o mercado, não vamos crescer até porque temos espaço e toda a capacidade para o fazer”.

Neste momento, a GreatSoul Pharma tem já uma pré-licença por parte do INFARMED e, quando terminarem a obra, a autoridade de saúde irá deslocar-se ao local “e verificar que cumprimos o que dissemos que íamos fazer”.

Quanto ao prazo de conclusão da obra, o CEO garantiu que tudo estará pronto dentro de seis ou sete meses, “no final do outono deste ano”.

Vasco Estrela, presidente da Câmara Municipal de Mação, considera este investimento “extraordinariamente importante” para o concelho. O autarca lembrou que “já há uma série de meses, um ano, que andamos a trabalhar neste sentido e que hoje tem aqui este momento simbólico mas que representa muito”.

O investimento, “de alguns milhões de euros, significa postos de trabalho e desenvolvimento económico para o nosso concelho”.

Vasco Estrela quis ainda “realçar toda a lisura deste procedimento. Desde as pessoas que nos apresentaram este projeto, à Junta de Freguesia de Ortiga, na pessoa do seu presidente que desde a primeira hora também mostrou todo o interesse a poder acolher aqui nesta Zona Industrial, onde a Junta tinha terrenos e manifestou interesse em que o investimento se pudesse aqui concretizar, os serviços da Câmara que mostraram também uma total abertura e empenho para a concretização deste projeto, o doutor Gonçalo Matias e o seu escritório e o Jaime Gil-Robles que foi o nosso interlocutor e que foi sempre extraordinariamente claro na mensagem que nos estavam a querer passar, na seriedade do processo e na forma como o assunto nos foi colocado”.

“Houve uma conjugação de esforços que possibilitaram que o dia de hoje seja um dia importante para o concelho de Mação”, afirmou o presidente do Município que disse ainda esperar “que os objetivos desta empresa e do concelho de Mação sejam todos concretizados e que daqui a uns anos, quando por aqui passarmos, possamos todos dizer que valeu a pena o esforço para que as coisas acontecessem”.

Rui Dias, presidente da Junta de Freguesia de Ortiga, afirmou que a instalação desta empresa, em alguns terrenos que foram cedidos pela Junta, poderá servir de alavanca para um crescimento da própria freguesia. Quanto ao dia de hoje, classificou-o como “muito importante para a freguesia porque isto vai trazer trabalho, vai trazer gente e o interior está a precisar disto”. Rui Dias afirmou ainda que “todos os passos que dermos são bem dados e hoje estou contente porque acho que a Ortiga está de parabéns com esta instalação e foi para isto que disponibilizámos os terrenos e tudo fizemos para que este projeto seja um sucesso”.

Parte dos terrenos onde vai nascer o investimento da GreatSoul Pharma em Ortiga “já pertenciam a outra empresa mas os terrenos anexos” eram da Junta de Freguesia e servem agora para que a empresa se possa expandir.

A expetativa é de que a economia local também vá beneficiar pois, como afirmou Rui Dias, “se vai trazer gente, isto mexe em todos os campos”.

Quanto aos sentimento da população de Ortiga, Rui Dias confirmou que a comunidade está satisfeita mas curiosa. “Querem saber quem é que vem para aqui pois é uma terra pequena e veem gente de outros lados... Mas estão contentes por saber que vem para cá gente nova”.

 

Mais empresas na área da cannabis com pé firme em Mação

Na mesma área de investimento, há ainda mais duas empresas que pretendem instalar-se no concelho de Mação. Uma delas está prevista ter as suas instalações perto do Casal da Barba Pouca e uma outra na zona da Caldeirinha. Em ambos os casos, os terrenos onde as empresas irão investir são de privados.

Vasco Estrela admitiu que o concelho tem “condições para mais desenvolvimentos de projetos nesta área e é nisso que estamos a trabalhar. Creio que a partir da data em que as obras começam a ser iniciadas e com a concretização destes projetos, podemos estar a falar de um concelho de Mação um pouco diferente e é para isso que nós, autarcas, trabalhamos. Mas também só conseguimos atingir os nossos objetivos se houver uma grande conjugação de esforços”.

O presidente deixou o desejo de que “as oportunidades surjam, que nós as possamos agarrar e que haja também um conjunto de entidades que connosco colaboram e trabalham e nos possam ajudar a concretizar estes objetivos”.

Vasco Estrela assumiu ser “bom que Mação consiga ter este virar de página e deixar a ideia da fatalidade e de que tudo o que acontece, geralmente, é mau. Neste caso, estamos aqui por um ótimo motivo”.

Quanto ao facto de Mação poder vir a ser um cluster, ou um aglomerado de empresas na área da cannabis, Vasco Estrela afirmou que “esses são nomes que ficam bem e nós gostaríamos que isso se pudesse concretizar mas vamos passo a passo, fazendo as coisas devagarinho, com calma e com cautela, sem embandeirar em arco, não criar ilusões às pessoas e ter a noção de que o dinheiro destes empresários é deles. Eles investem onde entendem que devem investir e onde tenham boas condições para investir. Da parte da Câmara Municipal e do concelho de Mação o que temos que fazer é criar condições, sermos diplomatas o suficiente para que eles se sintam bem a investir no concelho de Mação. É isso que temos tentado fazer, fizemos neste caso e, felizmente, as coisas correram bem”.