Pesquisar notícia
terça,
09 ago 2022
PUB
Concelhos

José Luís Peixoto escreve sobre Abrantes, Constância e Sardoal (C/ÁUDIO)

24/06/2022 às 16:19
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Chama-se “Onde” e é nova obra do escritor José Luís Peixoto. Esta obra é o resultado de um desafio feito ao escritor de Galveias pelo projeto Caminhos Literários e vai ter uma edição em livro e outra em 62 monólitos espalhados pelos três concelhos. Os textos são inspirados em 62 espaços destes três concelhos.

Esta obra literária criada por José Luís Peixoto desenvolveu-se no âmbito do projeto Caminhos Literários que envolve os municípios de Abrantes, Constância e Sardoal e foi apresentada na Biblioteca Municipal António Botto, em Abrantes, onde foi também apresentado um protótipo das estruturas, monólitos, que poderão ser depois visitadas em dezenas de locais nos três concelhos envolvidos, criando assim um produto turístico-cultural em que a literatura é a alavanca para a descoberta de novas paisagens.

A sessão teve lugar nesta quinta-feira, dia 23 de junho, e contou com a presença do escritor José Luís Peixoto, de Miguel Palmeiro, designer da United By (empresa responsável pelas estruturas a implementar nos territórios destes três concelhos), do Presidente da Câmara Municipal de Abrantes, Manuel Jorge Valamatos, da Vereadora da Câmara Municipal de Constância, Helena Roxo, e do Presidente da Câmara Municipal de Sardoal, Miguel Borges.

O escritor de Galveias, que nasceu em Abrantes, começou por explicar o nascimento desta ideia de escrever sobre os três territórios. “Tudo isto nasceu de uma ideia que no início era muito vaga e abstrata, mas partiu de uma vontade de Abrantes, Constância e Sardoal juntarem forças e valorizarem conjuntamente a cultura e a literatura e foi a partir desta vontade que nasceu a ideia”, começou por referir José Luís Peixoto, acrescentando que “decidimos fazer uma seleção de lugares de várias naturezas presentes nestes territórios e escrever textos específicos sobre esses lugares. São textos que se relacionam com os lugares e foram escritos concretamente sobre estes lugares, mas que trazem várias ideias”.

E um dos grandes desafios, de acordo com o autor, foi conseguir ligar os três territórios distintos e lugares dentro desses territórios, também eles distintos. “Há largos, edifícios, árvores.”

 

José Luís Peixoto

“Onde – o exemplo de Abrantes, Constância e Sardoal” é o título do livro de José Luís Peixoto que nasceu deste projeto e que estará disponível a parir de 21 de julho de 2022. Segundo o autor, neste momento encontra-se na fase final de edição.“Espero que este livro também contribua para que as pessoas queiram ler os textos no próprio lugar e que são lugares muito específicos, como, por exemplo, a Praça da República, em Sardoal, o miradouro do Cristo Rei, em Matagosa, concelho de Abrantes, a Praça Alexandre Herculano, em Constância, entre outros”.

Nesta apresentação José Luís Peixoto explicou como é que chegou aos textos que estão feitos e em processo final de edição: “Estes 62 textos são de grande ambição e tenho esperança de que quando chegarem aos olhos de toda a gente, se identifiquem com eles e se reconheçam neles porque essa foi também uma das intenções. Espero que sejam claros, mas que tenham múltiplas leituras, da forma como se olha para aqueles lugares e que chamem à atenção para aspetos que não são evidentes”, referiu José Luís Peixoto que acrescentou ainda que “um livro é muito fino, é como uma garrafa que se atira e não se sabe onde vai parar.”

 

José Luís Peixoto

Nesta mesma sessão esteve presente, Miguel Palmeiro, designer da United By, empresa responsável pelas estruturas a implementar nos territórios destes três concelhos, começou por salientar que “este foi um dos projetos que em 30 anos de carreira enquanto designer foi o mais desafiante que me apareceu porque nunca paginei um livro que é dividido em 62 páginas espalhas por três territórios.”

Ora uma paginação de uma livro é uma coisa. Uma paginação no território é outra. Desta forma foi preciso o pensamento do arquiteto e o pensamento do designer para haver uma conclusão e uma ideia. “Comecei por pensar em lugar e em identidade coletiva entre estes três municípios, mas fui confrontado com espaços urbanos, rurais e de natureza e queria construir algo que fosse uma página de um livro que pudesse estar em cima da relva, numa parede ou em asfalto e o desafio foi pensar nisto, numa forma humilde, mas assumida”, explicou o designer. Daí que tudo começa num paralelepípedo que depois terá arestas e vértices laminados e trabalhados de diversas formas para que cada peça se adeque ao local onde vai ser colocada. “E que permita também a leitura por diversos pontos.”

 

Miguel Palmeiro

Esta forma de paginação “física” procura também criar metáforas sobre os locais. Cada um dos elementos trás surpresas e textos distintos.

Miguel Palmeiro, Helena Roxo, José Luís Peixoto, Manuel Jorge Valamatos, Miguel Borges e Luís Filipe Dias

Estas 62 estruturas vão ser colocadas em vários locais de Abrantes (22), Constância (20) e Sardoal (20), criando, assim, uma rota literária. No concelho de Abrantes, estas estruturas serão colocadas em locais como o cais de acostagem de Rio de Moinhos, o Miradouro da Penha, em Tramagal, o Santuário de Nossa Senhora do Tojo, a Oliveira do Mouchão em Mouriscas, o Largo da aldeia do Pego, ou no Alto de Santo António, em Abrantes, entre outros.

Para o Presidente da Câmara Municipal de Abrantes, Manuel Jorge Valamatos, “este é um trabalho exemplar daquilo que se perspetiva para o futuro, esta ligação da cultura às questões das regiões e a proximidade entre os concelhos”. “Hoje lutamos muita pela questão dos territórios e precisamos de uma nova afirmação, de um novo registo e identidade comuns e estes apontamentos culturais comuns ajudam a construir essa nova identidade que todos desejamos”, reforçou Manuel Jorge Valamatos.

 

Manuel Jorge Valamatos, presidente CM Abrantes

Já Helena Roxo, vice-presidente da Câmara Municipal de Constância, mostrou a satisfação em integrar este projeto, deixando a mensagem que conhece muito bem Galveias e que é um prazer conhecer, agora, José Luís Peixoto.

 

Helena Roxo, vice-presidente CM Constância

Miguel Borges, presidente da Câmara Municipal de Sardoal, começou por referir o nascimento do espaço de cultura onde aconteceu esta apresentação, a Biblioteca Municipal António Botto. De seguida, o autarca de Sardoal, disse que este é “o materializar” de um projeto que já vem sendo pensado. E a melhor forma de preservarmos cultura é criar algo para a eternidade. E isso consegue-se com a edição de livros, que perduram durante muitos e muitos anos.

 

Miguel Borges, presidente CM Sardoal

E, ficou a saber-se também, que cada um destes monólitos vai ter QR Code para remeter os visitantes para um “website” onde poderão encontrar o fio de todo este projeto literário.

 

Texto Abrantes - “Alto de Santo António”

 

Texto Constância - “Sobreiro de Dona Maria”

Texto Constância - “Largo do Ensaio da Música”

O projeto Caminhos Literários, que explora os territórios ligados a António Botto, Camões e Gil Vicente, pretende disponibilizar o usufruto da arte em locais públicos e de acesso livre, com a realização de diversas ações culturais, dinamizando, assim, a economia da região, através do turismo atraído por estes eventos.

Galeria de Imagens