Pesquisar notícia
quarta,
01 dez 2021
PUB
Sociedade

Abrantes: Partidos e movimento independente reagiram às agressões na reunião da Câmara de Abrantes

23/12/2020 às 18:12
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

 

O caso ocorreu durante a manhã, na reunião do executivo municipal de Abrantes, que acabou por ser suspensa. Jorge Ferreira Dias entrou na sessão, que estava a decorrer no Edifício Pirâmide com transmissão pelas plataformas digitais do Município e voltou a dizer que “quer o seu assunto resolvido”. E quando o presidente Manuel Jorge Valamatos disse que o cidadão tinha de sair da reunião, Jorge Ferreira Dias avançou em direção ao presidente da Câmara, de cajado na mão.
Depois de chamada a PSP ao local, de onde retiraram Jorge Ferreira Dias, chegou também o INEM que assistiu no local o presidente Manuel Jorge Valamatos, o vice-presidente João Gomes e uma funcionária. Apesar de ferimentos ligeiros acabaram por fazer exames complementares no Hospital de Abrantes a que se juntou uma segunda funcionária do Município com ataque de pânico.
A Antena Livre sabe que o executivo, com exceção do vereador do Bloco de Esquerda, Armindo Silveira, e os funcionários que estavam presentes apresentaram queixa contra Jorge Ferreira Dias porque este ameaçou que poderia voltar com uma “granada em cada mão”.


O Município de Abrantes, em comunicado enviado às redações, “confirma que, no decorrer da reunião de Câmara Municipal, o Sr. Jorge Ferreira Dias, munido de um pau com gancho de ferro, entrou ilegalmente no edifício onde decorria a sessão, proferiu várias ameaças verbais aos presentes e agrediu fisicamente o presidente, o vice-presidente e uma trabalhadora do Município”.
Tal como a Antena Livre já tinha adiantado, “devido aos ferimentos”, foram chamados ao local os Bombeiros que transportaram o presidente, vice-presidente e a trabalhadora da Câmara Municipal ao hospital de Abrantes “para observação e tratamento hospitalar. Foi ainda transportada outra trabalhadora que, devido aos acontecimentos, teve um ataque de pânico”.
O Município informa ainda que “a polícia foi chamada a intervir, tendo sido apresentada queixa contra o agressor pelas sucessivas ameaças de morte, agressões e outros eventuais crimes, cometidos no presente dia e noutras ocasiões, quer em Reuniões de Câmara, Assembleias Municipais e mesmo na via pública”.
A Antena Livre sabe que os funcionários do Município presentes na sessão apresentaram queixa, bem como todos os elementos do Executivo.

O vereador do Bloco de Esquerda, Armindo Silveira, não apresentou queixa. Armindo Silveira afirmou à Antena Livre ser "contra a violência e tudo o que ali se passou", mas está a aconselhar-se com o seu advogado, pois "não quero reagir a quente. Quero perceber primeiro os contornos porque, legalmente, ainda não sei como é isto tudo se vai processar". No entanto, afirmou que "sou testemunha" e relembrou que "tenho seis meses para poder apresentar queixa".

Jorge Ferreira Dias passou a noite nas instalações da PSP de Tomar e foi apresentado ao final da manhã ao Juiz de Instrução Criminal que, já da parte da tarde, aplicou a medida de coação mais grave: aguardar julgamento em prisão preventiva. Após o interrogatório, Jorge Ferreira Dias foi conduzido ao estabelecimento prisional de Leiria.

Reações de partidos e movimento independente

PS Abrantes
“A Concelhia do Partido Socialista de Abrantes vem manifestar veementemente o seu repúdio pelos acontecimentos ocorridos durante a reunião de câmara de hoje, onde o Presidente e Vice-Presidente, juntamente com uma trabalhadora da Câmara Municipal de Abrantes, foram agredidos com um cajado com gancho de ferro.
Já por inúmeras vezes o agressor se dirigiu tanto ao executivo, como aos membros da Assembleia Municipal de Abrantes, proferindo graves acusações e ameaças, tendo agora partido para a agressão fisica.
O Partido Socialista de Abrantes considera que estes acontecimentos não dignificam a democracia e o Estado de Direito em que todos vivemos.

PSD Abrantes
“Ao tomar conhecimento da agressão à cajadada, levada a cabo por um munícipe, sobre o presidente e outros elementos participantes na reunião de hoje do executivo do nosso município, a comissão política do PSD Abrantes, vem declarar o seu total repúdio por este e qualquer outro ato que desrespeite as normas do estado de direito e da vivência democrática, que são um dever de todos os cidadãos para com os seus eleitos, independentemente das razões que lhes assistam e que só à justiça compete decidir”.

ALTERNATIVAcom
“O movimento ALTERNATIVAcom condena perentoriamente as agressões físicas e verbais cometidas esta manhã, no decorrer da reunião de Câmara, contra membros do executivo municipal, desejando aos autarcas e funcionários afetados um rápido e completo restabelecimento. A “justiça” feita pelas próprias mãos não é justiça, nem resolve qualquer problema: quem tem razão, perde-a, e quem não tem razão, não passa a tê-la.
Em democracia, as instituições devem funcionar regularmente e os titulares de cargos públicos demonstrar um comportamento exemplar, oferecendo aos cidadãos todas as possibilidades de defenderem os seus justos direitos, sem recurso a atos violentos ou outros de índole não democrática. É preciso, pois, refletir sobre as causas e circunstâncias dos acontecimentos de hoje, os quais nos convocam para um outro patamar de respeito e exigência cívica e democrática”.

PS (nacional)
O secretário-geral-adjunto do PS, José Luís Carneiro, manifestou hoje “veemente repúdio” pelas agressões a autarcas de Abrantes, solidarizando-se com o presidente da câmara local, o socialista Manuel Jorge Valamatos.
“Nada justifica a violência. Queria, naturalmente, manifestar o veemente repúdio pela agressão de que foram vítimas dois autarcas”, disse o “número dois” de António Costa no PS, em em declarações à agência Lusa.
Na terça-feira, o presidente e o vice-presidente da Câmara Municipal de Abrantes (CMA) foram agredidos durante uma reunião por um ex-empresário da construção civil que há anos responsabiliza aquela autarquia pela falência das suas empresas.
“Qualquer desrespeito por um autarca significa o desrespeito por um símbolo da democracia local, por isso, queria deixar uma palavra de solidariedade ao Manuel Jorge, presidente da câmara, e àqueles que foram vítimas desta agressão”, acrescentou Carneiro.
Segundo comunicado da CMA, o agressor, "munido de um pau com gancho de ferro, entrou ilegalmente no edifício onde decorria a sessão, proferiu várias ameaças verbais aos presentes e agrediu fisicamente o presidente, o vice-presidente e uma trabalhadora" do município ribatejano.

Reação do Bloco de Esquerda Abrantes
1 - O Bloco de Esquerda de Abrantes reprova veementemente a invasão da reunião de Câmara Municipal de Abrantes de 22 de dezembro, perpetrada pelo munícipe Jorge Ferreira Dias, assim como as ameaças e os atos de violência que se seguiram. Manifesta publicamente solidariedade com todos e todas as envolvidas nesta situação e deseja rápidas melhoras aos Srs. Presidente da Câmara, Vice-Presidente e às trabalhadoras do Município de Abrantes.
2 - O Bloco de Esquerda de Abrantes não foge às responsabilidades atribuídas por força dos resultados das autárquicas 2017. É público que o Bloco de Esquerda de Abrantes, através dos seus eleitos na Câmara e na Assembleia Municipal de Abrantes tem procurado esclarecer dúvidas e abrir caminhos de diálogo entre o executivo de maioria PS e o cidadão Jorge Ferreira Dias, pois o mal-estar crescente assim o exigia. Ter uma visão diferente da maioria PS, neste e noutros processos administrativos a decorrer, faz parte dos deveres e dos direitos da oposição em democracia, devendo ser encarados com normalidade por quem detém a maioria e o poder de decidir.
3 - O Bloco de Esquerda de Abrantes refuta todas as acusações que lhe são dirigidas pelo PS de Abrantes no seu comunicado de 22 de dezembro de 2020, as quais considera de total má-fé e desprovidas de qualquer sentido, que mais não são do que uma mal disfarçada tentativa de aproveitar um ato de violência, repita-se, a todos os títulos condenável, para limitar a legítima ação política do Bloco de Esquerda.